Papel ou editor de texto? Eis a questão

11 DE JULHO DE 2010
DOMINGO

13:10 – Na sala, ouvindo “Design Your Universe”

Sabe, estava pensando cá com meus botões sobre o fato de não conseguir criar no computador, só no papel e por que isso me incomoda tanto.

Na maioria das vezes acredito que isso não passa de um paradigma que me auto impus, fazendo meu inconsciente acreditar piamente que eu NÃO consigo criar no computador e mesmo quando consigo escrever alguns parágrafos, fico com a forte impressão de que estariam bem melhores se os tivesse escrito no papel primeiro. E, embora tente me convencer do contrário, ressaltando para mim mesma que posso qualquer coisa que desejar, lembrando-me que os contos “Pela Paixão. Pelo Sangue” e “Venha. Envolva-me. Entregue-se.” foram totalmente escritos no editor de texto – logo, se consegui uma vez (ou melhor duas), posso quantas bem entender; um lado meu ainda fica berrando que escrevo melhor no papel.

No entanto, ainda pensando com meus botões, acabei vendo que o grande X da questão não é conseguir criar ou não, mas sim um pequeno detalhe que faz toda a diferença: foco.

Quando estou sentada em algum lugar com prancheta e lapiseira na mão, minha atenção está completamente voltada para o que estou escrevendo e, por estar não apenas focada, mas mergulhada na história, as idéias fluem que é uma beleza.

Sem contar que mesmo apresentando a desvantagem gritante de ter trabalho duplo de primeiro escrever e depois digitar. Só que olhando pelo lado bom, isso não é uma desvantagem real, pelo menos não no pior sentido da palavra. Parando para analisar, quando digito o que escrevi, estou automaticamente fazendo a primeira revisão(a primeira das muitas que faço antes de dizer que algo que escrevi está no mínimo descente para ser lido por alguém), na qual vou trocando palavras por sinônimos, revendo a repetição de pronomes e substituição dos mesmos, fazendo modificações necessárias e até chutando um parágrafo ou outro que logo de cara dá pra dizer que é totalmente desnecessário.

E também tem a vantagem de que posso carregar papel e lapiseira para onde eu bem quiser, ao contrário do meu Notebook. Tá, eu poderia carregá-lo para onde quisesse, mas acredita mesmo que eu sou tão jumenta ao ponto de andar com ele pra cima e pra baixo em pleno Rio de Janeiro?! Posso ser louca para um monte de coisas, mas não chego a tanto.

Quando sento na frente de qualquer editor de texto, não estou apenas diante de um programa no qual posso escrever, mas de uma infinidade de coisas com as quais me distraio facilmente: MSN, Orkut, e-mail, joguinhos on-line e todo o universo que a internet me oferece. É fácil burlar isso quando estou sozinha em casa, pois basta tirar o roteador da tomada e ficando quietinha no meu quarto. Mas quando Angélica está em casa, não dá pra impedi-la de colocar o roteador de volta à ativa. E quando aquele ícone no canto da área de trabalho mostra que meu computador está novamente conectado à internet, Deus sabe o quanto me esforço para não ceder à tentação.

Entre outras palavras, vou parar de ficar me cobrando tanto por não conseguir escrever direto no pc e simplesmente respeitar meu jeito de ser. Se é com papel e lapiseira que consigo ser não só mais disciplinada como muito mais criativa, vou continuar assim :D.

6 comentários:

Jaime Vieira Junior disse...

Rafa.

Te entendo completamente, tenho uma dificuldade enorme de me concentrar em frente ao PC. Quando preciso estudar, a primeira coisa que faço é arrancar o cabo da net.

Bjo.

PS - adorei o novo visual do blog!

deadly puzzle disse...

então somos três rs
tenho um monte de ideias quando tou longe do pc, mas é só chegar nele que parece que vai tudo embora O_O

Rafael disse...

O negócio é escrever onde você se sente mais a vontade :D independente do trabalho que dê.

Jorge Oyafuso disse...

É, Rafa... acho que o computador é o pior inimigo do escritor ehauehuae

Tem que se policiar muito pra não cair na tentação de não clicar nos ícones que, naquele momento, são proibidos :P

Bjo!

Lobo da estepe disse...

O negócio é ser multifuncional. Eu tento (às vezes consigo)ficar no msn, escrever e boiar pelo orkut :p

Malu disse...

Ah, Rafa, acho que se tu não consegue produzir tanto assim no computador, deve fazer da forma que tu achar melhor e mais a vontade. Importante é que tu não deixe de produzir pra gente *o*





É, fiz um blog só por sua causa.